Quatro instituições querem substituir Santa Casa

0
827

 

O processo seletivo para a escolha da nova gestora que assumirá as policlínicas Paraíso e Maria Dirce e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) São Joã, administradas atualmente pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, acontecerá ainda este mês. O jornal Guarulhos Hoje apurou que pelo menos quatro instituições estão interessadas na administração das unidades.

A principal delas é a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) que, além de administrar o Hospital Municipal Pimentas Bonsucesso assumiu, em novembro após a saída da Santa Casa, a gestão do Hospital Geral de Guarulhos (HGG), do governo estadual. Além dela, constam na lista o Grupo Saúde ABC, o Hospital Nipo Brasileiro e a Associação Saúde da Família.

 

santa-casa-guarulhos

O processo seletivo ocorre após a instituição anunciar que deixará a gestão das unidades em março – seis meses antes do previsto para o término do contrato que teria vigência até setembro. O convênio entre a prefeitura de Guarulhos e a Santa Casa teve início em 2003 para a gestão da policlínica Maria Dirce; em 2008 a policlínica Paraíso e em 2011 no caso da UPA São João. Com isso mensalmente a prefeitura repassa R$ 5,9 milhões para a instituição administrar os serviços na cidade.

No entanto, desde julho do ano passado a Santa Casa vem enfrentando sérios problemas financeiros. Na época o hospital central deixou de atender casos de emergência e urgências por causa de dívidas com fornecedores e a partir daí uma série de equipamentos de saúde foram devolvidos à administração do governo do estado. Atualmente a instituição é responsável pelos hospitais Central, Santa Isabel, Municipal São Luiz Gonzaga e Dom Pedro II, todos na capital.

 

Dívida supera R$ 820 milhões

 

Em outubro do ano passado, o jornal Guarulhos Hoje revelou com exclusividade que a instituição devolveria as três unidades à prefeitura devido a grave crise financeira que enfrenta. O valor da dívida divulgado pela instituição seria de R$ 433,5 milhões. No entanto, uma auditoria independente encomendada pela Secretaria Estadual da Saúde verificou que o montante devido é de R$ 773 milhões que, somado aos débitos com o governo estadual, supera os R$ 823 milhões.

A maior dívida é com a folha de pagamento dos funcionários, estimada em R$ 114 milhões. A Santa Casa tem 11 mil empregados e administra quatro hospitais próprios e 27 unidades de saúde da capital e de Guarulhos. Na cidade há 900 funcionários sendo 363 na UPA São João, 274 na Policlínica Paraíso e 252 na Policlínica Maria Dirce. Em segundo lugar, a dívida com fornecedores: R$ 104 milhões.

Na véspera do Natal, o governador Geraldo Alckmin liberou, de forma emergencial, mais R$ 3 milhões extras, em recursos do tesouro estadual, para socorrer a Santa Casa. O auxílio servirá para que a instituição possa comprar materiais e insumos, garantindo, desta forma, o atendimento à população usuária do SUS (Sistema Único de Saúde). O dinheiro deve ser destinado aquisição de itens essenciais, como medicamentos, luvas, curativos, seringas e agulhas, entre outros.

 

Fonte: Guarulhos Hoje