Obras de piscinões em Guarulhos atrasadas

1
853

 

A construção dos reservatórios de controle de cheias (piscinões) nos córregos dos Cubas, Moinho, Japoneses e Cocho Velho segue sem data definida pela prefeitura. Os projetos básicos para as obras já foram concluídos, no entanto ainda não há sinalização de quando haverá o repasse da verba por parte do governo federal.

 

piscinão-guarulhos

As obras totalizam a construção de 12 piscinões com estimativa para conclusão em 36 meses. Para tanto serão demandados recursos da ordem de R$ 297,2 milhões, sendo R$ 157,8 milhões para as intervenções nos córregos dos Japoneses e Cubas; e R$ 139,4 milhões para Cocho Velho e Moinho Velho. No entanto, a Secretaria de Obras não informou quanto desse montante será oriundo da União devido ao fato dos projetos estarem sob análise na Caixa Econômica Federal.

No total a prefeitura possui quatro planos de ação que constituem projetos de canalização e posterior implantação de reservatórios em córregos. Além deles, estão em obras atualmente as intervenções nos córregos Iguaçu-Tietê (Cidade Soberana) e Jacinto (Vila Galvão). Ambos contam com investimentos de R$ 47,4 milhões sendo R$ 19,1 milhões e R$ 28,3 milhões, respectivamente. Depois de uma série de problemas, incluindo reprogramações na Caixa Econômica Federal, a nova expectativa de conclusão para as duas obras é dezembro deste ano.

Outro piscinão que deverá ser construído na cidade ficará na rua Antonio de Souza, Centro. No entanto a falta de acordo entre a prefeitura e a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) está inviabilizando as obras. Isso porque a intervenção deveria ter sido feita pela EMTU durante o processo de implantação do Corredor Metropolitano Guarulhos-São Paulo. No entanto, segundo a empresa a prefeitura não providenciou a outorga do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) para a execução dos serviços.

 

Estado deve construir outros sete piscinões

 

Outros sete piscinões devem ser construídos na cidade pelo governo estadual. Cinco deles fazem parte dos projetos do Sistema de Macrodrenagem do Rio Baquirivu Guaçu, que, além dos piscinões, prevê a canalização de 20 km, recuperação das várzeas, implantação de Parque Linear ao longo do rio, com área de lazer, ciclovia e equipamentos esportivos. O projeto tem grande importância para o município de Guarulhos e auxiliará no combate às enchentes na região.

Além disso, o governo estadual já investiu R$ 20 milhões na canalização de 1,5 quilômetro do canal de circunvalação da margem direita do Parque Ecológico do Tietê e está preparando edital para canalização de mais 5,5 quilômetros e construção de dois piscinões. As obras serão executadas pelo DAEE e integram o programa de combate às enchentes da Região Metropolitana de São Paulo.

 

Os canais de circunvalação são canais escavados ao longo das divisas do núcleo Engenheiro Goulart, localizado na zona leste de São Paulo, divida com Guarulhos, e têm a função de interceptar os córregos e galerias de águas pluviais, evitando que as águas cheguem às lagoas do parque. As águas dos córregos e galerias de águas pluviais são descarregadas no rio Tietê abaixo da barragem da Penha. Os piscinões terão capacidade para acumular 778 mil metros cúbicos de água, contribuindo para minimizar o risco de inundações nos bairros de Ponte Grande, Vila Augusta, Vila Palmeiras e Macedo e Centro.

 

Fonte: Guarulhos Hoje