Monólogo Pássaros Cegos em Guarulhos

0
515

O monólogo Pássaros Cegos foi criado basicamente a partir de uma explosão, do choque causado após assistir dois documentários brasileiros. Primeiro, Estamira (2006), de Marcos Prado; depois, Um Lugar ao Sol (2009), de Gabriel Mascaro. Em um, a miséria; no outro, a riqueza. Em ambos, loucura identificada. Em Estamira é perceptível a sanidade revestida de loucura, há a identificação de um pássaro livre, que o sistema insiste em prender e que tem a religião como um desses captadores engaioladores de almas.

passaro-cego-guarulhos

Para assentar as ideias, o “Elogio da Loucura”, de Erasmo de Rotterdam tornou-se a base, de mãos dadas com Estamira; Niezsche ajudou a colocar o dedo na ferida, com sua obra “O Anticristo”, além de “Assim Falou Zaratustra”; Rainer Maria Rilke, com Os Cadernos de Malte Laurids Brigge, jogou lenha na crise existencial da atriz, que representava essa tal explosão; e o poeta Samuel Borges a concluiu, sem nem ter tido conhecimento de sua existência.

São retalhos, o despir-se da atriz e da dramaturga. Pássaros Cegos é o resultado de desconstruções, rompimentos, da loucura escancarada. E como bem definiu o crítico e cineasta guarulhense André Okuma, “Pássaros Cegos é um espetáculo denso, que mergulha em questões fundamentais de nossa contemporâneidade, nas esquizofrênias que emergem das lacunas deixadas na tensão entre fé e capitalismo, sob o ponto de vista da mulher. Reflexões absolutamente relevantes para os sombrios dias em que nos encontramos”.

Grupo Escamas de Gente:

 

O Escamas de Gente – Grupo de Teatro foi criado em 2014, junto com a ideia de se fazer o monólogo Pássaros Cegos. É composto pela atriz Renata Konsso (formada em atuação pela SP Escola de Teatro) e por Elís Lucas (formada em Letras e em Jornalismo e vocalista e compositora da banda Luneta Vinil), que pela primeira vez assina a dramaturgia e sonoplastia (esta em parceria com o sonoplasta Edson Luciano) de uma peça. A direção do espetáculo foi assinada pelo grupo, juntamente com a diretora Débora Scaldelai.

Financiamento Coletivo:

 

A produção do monólogo foi financiada por meio de crowdfunding. Essa foi a alternativa encontrada diante da dificuldade de apoio da prefeitura da cidade. Todo o processo da peça foi realizado de forma colaborativa, inclusive o trabalho de todos os profissionais envolvidos, destaque para Reiko Otake e André Okuma, que além de cederem o espaço para ensaios e para a 1ª temporada da peça, nos ajudaram com a produção do cenário e as fotos de divulgação, respectivamente. Este é link da campanha: www.benfeitoria.com/passaroscegos. Mais de 80 pessoas apoiaram o projeto.

Serviço

 

Espaço Cultural, avenida Comendador Wilson Talarico, 149.

Dias 18 e 19, sábados, às 20h, e domingos, às 19h.

Ingresso: R$ 20,00 (apenas dinheiro).

Duração: 60 min.

Classificação: 12 anos.

*É necessário reservar ingressos pelo e­mail: [email protected]

Fonte: Click Guarulhos