Vacinação contra a Covid para crianças entre seis meses e menores de cinco anos entra no Calendário Nacional

0
71

 

Desde 1º de janeiro a vacinação contra a Covid-19 em crianças de seis meses a menores de cinco anos deixa de ser uma campanha e passa a ser incluída no Calendário Nacional de Vacinação por recomendação do Ministério da Saúde.

 

Foto: Marcio Lino/PMG

Crianças entre 6 meses e 4 anos 11 meses e 29 dias, que não tenham recebido a vacina contra Covid-19 em nenhum momento ou que estejam com a vacina atrasada devem procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua casa e se vacinar.

A recomendação é aplicar a primeira dose da vacina aos seis meses de idade, a segunda dose aos sete meses e terceira dose aos nove meses. No entanto, todas as crianças de seis meses a menores de cinco anos não vacinadas ou com doses em atraso devem completar o esquema de três doses, seguindo o intervalo recomendado de quatro semanas entre a primeira e a segunda doses e oito semanas entre a segunda e a terceira. Crianças que já receberam três doses de vacinas contra a Covid-19, neste momento, não precisam de doses adicionais.

É importante que as crianças dessa faixa etária que são escolares tenham a situação vacinal regularizada para que a emissão da DVA (Declaração de Vacinação Atualizada) seja realizada no ato matrícula ou rematrícula, uma vez que a vacina passa a ser do Calendário Nacional de Imunização da rotina, não mais uma campanha.

Guarulhos possui cerca de 96 mil crianças na faixa etária entre seis meses e menores de cinco anos, desse total apenas 33% iniciaram o esquema, recebendo apenas a 1ª dose e 6% concluíram o esquema vacinal, tomando as três doses recomendadas.

A população infantil foi a primeira a ser escolhida para inclusão no Calendário Nacional de Vacinação de Rotina, pois a Covid-19 entrou para o rol de doenças respiratórias que levam a quadros graves, aumentando a taxa de mortalidade em crianças com menos de cinco anos, principalmente os menores de um ano.

A decisão foi tomada após a realização de estudos sobre a incorporação da vacina como forma de proteger a população mais vulnerável contra o vírus. A atualização no esquema leva em consideração a análise de que, com o fim da emergência de saúde pública internacional, a doença passou a ser tratada como uma condição imunoprevenível com necessidade de doses anuais para evitar que as infecções resultem em hospitalizações e óbitos.

 

60 anos ou mais

A nova estratégia de imunização ainda prevê doses semestrais para pessoas com 60 anos ou mais, imunocomprometidos, grávidas e puérperas. É importante salientarmos que os idosos com 60 anos ou mais e imunocomprometidos acima de 12 anos que tenham recebido o 1º Reforço com Pfizer Bivalente há mais de 6 meses devem procurar as UBSs para receber o 2º reforço.

Para os demais públicos, até o momento, não há previsão de aplicação de novas doses, mas quem ainda não se vacinou deve atualizar a caderneta para se proteger da variante ômicron, dominante no mundo.

Os endereços das UBS de Guarulhos podem ser consultados em www.guarulhos.sp.gov.br/unidades-basicas-de-saude-ubs.