Secretaria de Transportes analisa usar teste de saliva nas blitze da Lei Seca

0
58

 

O Grupo de Segurança Viária de Guarulhos, sob a coordenação da Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana, se reuniu nesta quarta-feira (13) por videoconferência para discutir as principais ações a serem desenvolvidas nos próximos meses para a melhoria do trânsito da cidade. Entre os destaques, foi apresentado um novo kit, do Laboratório Maxilabor, para identificar motoristas alcoolizados nas blitze da Lei Seca dentro do município, que demonstra ser o meio mais seguro a ser utilizado nesse período de Covid-19.

 

Conhecido como Kit Presto Saliva Álcool, ele é uma proposta diferenciada para substituir o bafômetro passivo nas operações da Lei Seca. Pelo contato da saliva com uma fita descartável que vem embalada, o resultado mostra se o condutor ingeriu bebida alcoólica e é obtido em apenas 20 segundos. Os testes com o novo kit após a análise revelaram eficácia de 100%.

O grupo está estudando a possibilidade de utilizar o novo método nas blitze da Lei Seca, diminuindo assim a possibilidade de contágio pelo sopro direto no bafômetro, que não está sendo usado durante o período de pandemia. A utilização do kit seria uma maneira de retomar as blitze da Lei Seca.

Devido ao aumento das mortes no trânsito, mesmo com o período de surto do coronavírus, o Grupo de Segurança Viária planeja diversas ações voltadas à área de fiscalização e educação para o trânsito neste ano de 2021.

 

Números da Lei Seca

Em 12 edições, a Blitz Integrada da Lei Seca “Tolerância Zero” já atingiu números expressivos em Guarulhos. Iniciada em agosto de 2018, ao todo a operação efetuou a fiscalização de 8.552 motoristas, resultando em 394 autuações por alcoolemia e 29 flagrantes criminais, além de 356 recusas.

A finalidade das ações é tornar o trânsito mais seguro. O que se percebe de maneira clara é que os casos de alcoolemia diminuíram com a implantação das blitze, em uma tentativa de se preservar a vida com o conceito de direção segura. O objetivo principal não são as autuações, mas sim educar e conscientizar o cidadão dos riscos de se conduzir um veículo sob o efeito de bebidas e drogas.