Reencontrando a família

0
1086

 

Um caso raro. Perdido há mais de quatro meses, Helder Feliciano da Silva vivia nas ruas da Vila Barros  sem saber quando reencontraria a sua família. A dúvida dele se dissipou na tarde de segunda-feira, 27, quando um amigo o levou até o 1º Distrito de Polícia e com a ajuda de investigadores conseguiu localizar a irmã de Helder.

 

Severino José da Silva contou que observou Hélder buscar comida no lixo e dormir sob a chuva diversos dias. A situação o sensibilizou e, ao descobrir que o morador de rua, na verdade, tinha vindo de Pernambuco, especificamente da cidade de Calçado, e que havia se perdido depois de sair da casa da irmã, decidiu ajudar o “amigo”.

 

desaparecido-guarulhos

Felicidade – Hélder (centro) teve ajuda para reencontrar família (Foto: Lucas Dantas)

 

“Ele precisava de ajuda. Dava para ver que ele é gente boa”, disse Severino.

 

Quando chegaram à delegacia, eles foram atendidos pelo investigador Marcus Bertolino, que a princípio não entendeu o que os dois senhores queriam.

 

“Ele começou falando que perdeu os documentos.

Depois contou que veio de Pernambuco, aí percebi que dava para tentar localizar alguém da família”, explicou Bertolino.

 

O investigador pediu ajuda para a agente de telecomunicação Luciene dos Santos, que conseguiu achar um boletim de ocorrência sobre o desaparecimento na data de 21 de dezembro. O B.O. foi feito por Sueli Feliciano, irmã de Hélder.

 

A polícia conseguiu fazer contato com Sueli. Por volta das 16h, ela chegou à delegacia acompanhada do marido para reencontrar o irmão. “Mesmo depois de quatro meses eu sempre acreditei que iria reencontrá-lo”, disse a irmã aos prantos.

 

A trilha da perdição

 

Helder é casado e pai de um casal. Ele tem problemas com álcool e, depois de chegar de Pernambuco, passava uns dias na casa da irmã em Heliópolis, Zona Oeste de São Paulo, quando saiu sozinho, se perdeu e não conseguiu voltar. Ele não se lembra de quando chegou a Guarulhos. Se não fosse a ajuda de Severino, provavelmente ele continuaria na rua.

 

Fonte: Folha Metropolitana