Instagram do Zoo oferece novos desenhos de animais para imprimir e colorir

0
183

 

A página do Zoológico de Guarulhos no Instagram (@zooguarulhos) posta nesta sexta-feira (16) novos desenhos de animais moradores do parque para quem quiser imprimir, colorir e aprender sobre cada espécie. Desta vez as estrelas são a arara-vermelha, o papagaio-verdadeiro, o cisne-negro e o pica-pau-branco. As ilustrações são feitas pela tratadora Renata Lages (@renatalages.artwork) e estão disponíveis para download no link https://bit.ly/colorirzoo15.

 

 

Até o final do mês outros desenhos serão publicados e, ao final da série, será disponibilizado para download um álbum completo com todos os animais. Já foram disponibilizadas as espécies urubu-rei, arara-canindé, borboleta-estaladeira, queixada, onça-parda, jacaré-do-papo-amarelo, lobo-guará, sagui-da-serra-escuro, tucano-de-bico-verde, arara-azul, anta e filhote, quati e caxinguelê, tamanduá-bandeira, veado-catingueiro e leão.

 

Arara-vermelha (Ara chloropterus)

 

A arara-vermelha ocorre em grande parte do Brasil e ocupa a região da Amazônia e os rios costeiros margeados por florestas. É um dos maiores psitacídeos brasileiros, com cerca de 90 centímetros de comprimento. Sua face é cortada por fileiras de penas vermelhas; na cabeça, nas costas e na barriga possui coloração também avermelhada, com uma faixa verde. Costuma andar em bandos ou em pares. Alimenta-se preferencialmente de sementes com polpas, na copa das árvores e em arbustos. Geralmente utiliza o bico como o terceiro pé e as patas para segurar o alimento e levá-lo à boca. Através das fezes, espalha pela floresta as sementes dos vegetais dos quais se alimenta e desempenha assim um importante papel ecológico no ciclo de vida dessas plantas.

 

Papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva)

 

Encontrado em todo o Brasil, possui coloração verde, encontro das asas e base da cauda vermelhos, além de azul e amarelo, respectivamente, na fronte e na área próxima aos olhos. O bico é negro e os olhos são alaranjados com pupila negra. Machos e fêmeas são semelhantes, ou seja, não apresentam dimorfismo sexual. Sua alimentação é à base de castanhas, sementes, frutas, folhagens e brotos. Usa as patas, geralmente à esquerda, para segurar a comida e levá-la à boca. O papagaio-verdadeiro pode viver em torno de 80 anos. Como é receptiva, inteligente e possui exímia capacidade de imitar sons humanos, a procura pela Amazona aestiva é consideravelmente grande. No entanto, em muitos casos, a ave é adquirida pelo mercado paralelo, fato que propicia o manejo insustentável e práticas de maus-tratos. O comércio ilegal e a destruição de seu habitat estão levando a espécie ao risco de extinção em algumas regiões do país.

 

Cisne-negro (Cygnus atratus)

 

 

O cisne é uma ave aquática pertencente à família Anserinae, que inclui também os gansos. No seu conjunto dão origem ao gênero Cygnus, apresentando como característica marcante seu longo pescoço. Possui plumagem negra, exceto nas extremidades das asas, que são brancas, contudo, pouco perceptíveis. O bico é vermelho com uma mancha branca na extremidade. Possui de 1,6 a 2 metros de envergadura de asas e pesa em média 8,7 kg.

 

O cisne negro tem hábitos diurnos, é herbívoro, ou seja, alimenta-se de plantas aquáticas que ficam na superfície, mas também pode buscá-las nas margens. Em habitats menos favoráveis pode migrar. Emite um som musical tipo corneta de longo alcance, bem como um leque de outras notas musicais. Ele pode também assobiar, especialmente quando perturbado, enquanto estiver procriando ou nidificando.

 

Pica-pau-branco (Melanerpes candidus)

 

Também conhecido como birro ou cri-cri, sendo estes nomes referentes ao som de seu canto, a ave é predominantemente branca com asas e costas pretas, contrastando com os “óculos” amarelos e uma linha preta atrás dos olhos. Os machos possuem a nuca amarelada. Ocorre da foz do rio Amazonas e na região de Óbidos, estendendo-se para as regiões campestres de todo o Brasil. Alimentam-se de insetos, larvas, sementes, frutos e mel. Escava o ninho em troncos de árvores secas e de palmeiras e, às vezes, utiliza cavidades naturais em rochas, onde põe de três a quatro ovos brancos e brilhantes. Os filhotes deixam o ninho com aproximadamente 36 dias de vida. Durante a época do acasalamento realiza voos de exibição.