GCM apoia Polícia Federal na prisão de 19 pessoas com drogas no estômago no aeroporto

0
52

 

A Guarda Civil Municipal (GCM) de Guarulhos apoiou a Polícia Federal no sábado (26) e nesta segunda-feira (29), no aeroporto internacional, na prisão em flagrante de 19 passageiros que ingeriram cápsulas com cocaína para transportá-la no estômago para a França e a Suíça. Os acusados foram surpreendidos pelos agentes no terminal de embarque e passaram por um escâner corporal que confirmou o crime.

 

Foto: Fabio Nunes Teixeira/PMG

 

O escâner, operado pela Polícia Federal, foi reativado neste mês após o aumento dos casos de “mulas”, como são chamadas as pessoas usadas por traficantes para transportar drogas por fronteiras. Apenas em 2024 a operação No Fly já efetuou 53 prisões em flagrante pela modalidade, contra 44 detenções durante todo o ano de 2023.

 

Os grupos foram escoltados à delegacia do aeroporto, onde foram lavrados procedimentos criminais. Com isso, eles ficaram sob a custódia dos agentes municipais, que os conduziram ao Hospital Geral de Guarulhos para expelirem o material em segurança – alguns dos suspeitos também haviam introduzido drogas nas partes íntimas.

 

“Essas pessoas, muitas vezes, são de bem, mas são aliciadas por criminosos e caem num esquema que destrói suas vidas. A droga e os crimes associados a ela são mazelas para as famílias e a sociedade em muitos cenários, por isso continuaremos a combatê-la”, afirmou o prefeito Guti.

 

De acordo com o inspetor-geral da GCM, Élcio Garcia, a ação e os procedimentos médicos também visam a assegurar a vida dos detidos, que chegam a ingerir mais de cem cápsulas com entorpecentes. “Caso uma delas rompa, uma grande quantidade de droga será liberada no organismo, o que pode afetar gravemente os órgãos e causar convulsões, intoxicações e morte”, explicou.

 

Após a alta hospitalar as drogas serão apreendidas e os acusados apresentados à Justiça Federal. Eles poderão responder pelo crime de tráfico internacional de entorpecentes, cuja pena pode chegar a 15 anos de prisão.