Festival do Filme Possível termina com destaque aos projetos desenvolvidos

0
92

 

Após quatro meses de cursos, lives e masterclasses, além de exibições e competições de curtas e longas metragens, o Festival de Cinema Filme Possível chega ao fim com o evento de encerramento nesta quarta-feira (26). Nessa ocasião, os produtores de dez projetos desenvolvidos durante o festival participam de um pitching (apresentação com o intuito de vender um produto) com grandes participantes do mercado audiovisual. O Festival de Cinema Filme Possível é um projeto viabilizado pelo Funcultura de Guarulhos com recursos da Lei Aldir Blanc.

 

Após um processo de seleção, dez projetos em diferentes etapas de desenvolvimento foram escolhidos para receber a mentoria com o produtor Guilherme Severo e o roteirista Cadu Machado. Os projetos foram trabalhados de forma individual e coletiva com seus criadores a partir de seus formatos e potências, sempre pensando nesse encontro com o mercado e o público. “Temos formatos super variados, são curtas, longas e séries que passam por documentário, ficção e animação. Para cada um deles a gente traz nosso repertório e experiência com uma abordagem mais específica de acordo com a necessidade”, explica o roteirista.

 

Segundo Guilherme Severo, idealizador do Festival de Cinema Filme Possível, o pitching é uma experiência em que cada um dos criadores tem a possibilidade de apresentar as suas ideias de maneira concisa (em até cinco minutos) para que potenciais parceiros do projeto possam se interessar. “É um momento decisivo em que, além de fechar negócio, os autores podem ouvir alguns conselhos e também muitas críticas”, explica Severo.

 

A mentoria foi disponibilizada de forma gratuita pelo festival, entre os meses de março e abril, e, nesta quarta-feira, os dez projetos serão apresentados a profissionais do setor cinematográfico e poderão ser desenvolvidos por produtoras, canais e distribuidoras.

 

Entre os participantes que terão acesso aos projetos desenvolvidos durante o festival estão a Globo Filmes, a distribuidora Vitrine Filmes, o produtor Roberto Dávila, fundador da Moonshot, Antônio Gonçalves Junior, da Grafo Audiovisual, e Aline Belli, produtora executiva da Belli Studio, de Blumenau.