Abuso do uso de água

0
1456

 

Os lava-rápidos do Centro têm desperdiçado água durante a lavagem de carros. Na semana passada, a FM percorreu alguns estabelecimentos e presenciou situações de uso indiscriminado da água, como mangueira aberta enquanto o carro ainda estacionava. Nenhum dos postos visitados pela reportagem utiliza água de reúso. No lava-rápido da Rua Padre Celestino, o tempo de lavagem costuma durar aproximadamente 15 minutos. “Mas os funcionários não ficam muito tempo com a mangueira ligada, dura apenas três minutos”, justificou a proprietária Juliane Queiroz, 32 anos. Segundo Juliane, o lava-rápido gasta três mil litros de água por dia e atende aproximadamente 60 veículos. Um funcionário, que não quis se identificar, contou que “é muito desperdício” e o volume de água usado costuma chegar a 10 mil litros por dia. Entre os principais clientes estão as cooperativas de táxi Guarucoop e Cooper Guarulhos. Um dos taxistas contou que não há orienta- ção sobre como evitar locais que desperdiçam água. Na Avenida Tiradentes, funcionários dos lava-rápidos disseram não usar água de reúso por ser mais caro. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) informou que não há lei municipal aprovada para multar quem desperdiça água, mas desenvolve um trabalho permanente de orientação.

 

lava-rapido-guarulhos

Desperdício – Funcionários costumam gastar 15 minutos aproximadamente em cada lavagem de automóvel (Foto: Lucas Dantas)

 

Projeto prevê multa para desperdício

 

O projeto de lei de autoria de vereador Samuel Vasconcelos (PT) prevê multa para os cidadãos que desperdiçarem água durante a lavagem de carros e calçadas. Segundo o projeto, o objetivo é auxiliar na educação e noção de sustentabilidade, principalmente neste período de crise hídrica.

 

O texto prevê ainda multa aos moradores que forem flagrados lavando calçadas ou veículos junto ao meio fio com água tratada da rede de abastecimento da cidade e fiscalização das infrações pela Prefeitura. Os cidadãos que fizerem uso de água de poço ou de reuso terão de comprovar.

 

Fonte: Folha Metropolitana