Vereadores pedirão esclarecimentos à Cetesb sobre contaminação

0
733

 

Os vereadores da comissão técnica de Defesa do Meio Ambiente pedirão esclarecimentos à Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) sobre uma possível contaminação do solo na área onde funcionava a antiga fábrica da Microlite S/A, que produzia as pilhas Rayovac. O caso foi encaminhado pelo jornal Guarulhos Hoje à comissão após denúncia recebida no mês passado.

“Vamos encaminhar alguns pedidos de informações para entender o caso e pretendemos agendar uma visita ao local”, explicou o presidente da comissão, vereador Pr. João Barbosa (PRB). Também fazem parte da comissão os vereadores Guti (PV) e Lamé (PT doB).

rayovac-guarulhos

A poluição existente no solo ocorre em uma área aproximada de 5 mil metros quadrados. A profundidade da chamada pluma de contaminação chega a 20 metros. Já a extensão da contaminação já ultrapassou os limites de propriedade e há efetivo risco para a saúde da população.

No final do ano passado o Ministério Público solicitou esclarecimentos à Cetesb e à empresa Microlite sobre o porquê da área ainda não ter sido remediada já que o processo deveria ter sido concluído em cinco anos, após o fechamento ocorrido em 1999. Segundo as planilhas de avaliação de risco disponíveis no site da Cetesb, a área pode estar contaminada, devido a produção e armazenagem, com contaminantes como combustíveis líquidos e solventes halogenados.

A empresa foi fechada após a concentração da produção das pilhas alcalinas nas outras fábricas do grupo Microlite em Jaboatão e Pernambuco. Na época, a decisão foi tomada devido a impossibilidade de ampliação da fábrica de Guarulhos. Desde então o local está desativado.

O jornal Guarulhos Hoje apurou que a área estaria sendo negociada com uma construtora com a finalidade da viabilização de um condomínio.

 

Relatório aponta mais de 100 locais contaminados

 

O local faz parte de uma das 108 áreas contaminadas apontadas pela Cetesb em Guarulhos. Em todo o estado a companhia relaciona 4.771 localidades com algum tipo de contaminação. Na cidade, a contaminação se dá em diversas formas e em locais como o solo superficial, subsolo, águas superficiais e subterrâneas, sedimentos, ar e biota.

Neste ano, duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) foram instauradas para investigar as áreas contaminadas. A primeira, na Câmara Municipal de São Paulo, está focada na área da USP Leste. Já a segunda, na Assembleia Legislativa, o enfoque principal está no Condomínio Barão de Mauá, no município de Mauá e o Shopping Center Norte e Cingapura Zaki Narchi, no bairro Carandiru.

Em nota a Cetesb afirmou que os estudos de passivo ambiental encontram-se em análise na companhia.

 

Fonte: Guarulhos Hoje