Saúde alerta para aumento do risco de acidentes com escorpiões no verão

0
102

 

Desde o início do mês, até o momento, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria de Saúde já capturou 26 escorpiões em diversos bairros da cidade. Ao longo do ano passado, 50 animais foram recolhidos, além de outros 117 encaminhados pela população ao CCZ para identificação. As ocorrências aumentam no período do verão, estação quente e chuvosa. Por isso, a Pasta alerta sobre a importância da adoção de medidas de prevenção, para evitar acidentes.

 

Ao encontrar um escorpião, a população deve entrar em contato com o CCZ por meio do telefone 2436-3666 para registrar a ocorrência e receber as orientações preventivas. Caso consiga capturá-lo vivo, a pessoa deve manter o animal em recipiente de vidro com tampa fechada e com um pedaço de algodão umedecido com água.

 

Caso esteja morto, mantê-lo em recipiente com tampa fechada e álcool, a fim de conservá-lo para identificação. O munícipe também pode solicitar a posterior retirada do animal pelas equipes de Saúde, via internet na Rede Fácil de Atendimento ao Cidadão, ou presencialmente, nessas unidades.

 

Em casos de acidentes com escorpiões, a pessoa deve procurar o Hospital Municipal de Urgências (HMU), para que possa receber o tratamento o mais rápido possível. O HMU é o hospital de referência na cidade para este tipo de atendimento. É importante destacar que não se deve aplicar gelo ou qualquer outro tipo de substância no local da picada, mas somente limpar com água e sabão e colocar compressa morna.

 

Medidas de prevenção

 

Os escorpiões são animais de hábito noturno que caçam insetos e se abrigam em locais úmidos e escuros. No ambiente urbano, eles são atraídos por baratas e, em áreas verdes (margens de córregos, praças, jardins e terrenos baldios), por outros insetos como grilos, baratas silvestres, etc. Portanto, sua ocorrência está relacionada com a presença de fonte de alimento abundante.

 

Sendo assim, medidas simples podem evitar o aparecimento dos escorpiões e, consequentemente, diminuir a ocorrência de acidentes. A principal delas é não acumular detritos e entulhos no terreno (folhas secas, lixo doméstico e materiais de construção), principalmente os que podem atrair baratas, e servir de abrigo para o escorpião. Além disso, devem-se vedar soleiras das portas e janelas quando começar a escurecer; frestas, vãos e ralos que permitam a entrada desses animais.

 

Outros cuidados ajudam a prevenir acidentes, tais como: evitar folhagens densas ( trepadeiras, arbusto, bananeiras e outras) junto a paredes e muros das casas; manter a grama aparada; limpar periodicamente os terrenos baldios vizinhos, pelo menos, numa faixa de um a dois metros junto às casas; sacudir roupas e sapatos antes de usá-los, pois aranhas e escorpiões podem se esconder neles; não pôr as mãos em buracos, sob pedras e troncos podres; usar calçados e luvas de raspas de couro para atividades em que seja preciso colocar a mão e pisar em orifícios, entulhos e pedras.

 

Também são intervenções recomendadas: o uso de telas nas janelas e em ralos do chão, pias ou tanques; vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos e vãos entre o forro e as paredes, consertar rodapés despregados, colocar saquinhos de areia nas portas, afastar as camas e berços das paredes; evitar que roupas de cama e mosquiteiros encostem-se ao chão; não pendurar roupas nas paredes; acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes que possam ser mantidos fechados.

 

Outra ação importante é preservar os inimigos naturais dos escorpiões e aranhas, ou seja, as aves de hábitos noturnos (coruja, joão-bobo), lagartos, lagartixas e sapos. O escorpião é um animal originalmente de mata, mas se adaptou ao meio urbano devido à ocupação humana, que vem invadindo habitats naturais dos escorpiões e facilitando a oferta de abrigo e alimento a eles. Alterações climáticas, por sua vez, têm elevado a temperatura favorecendo uma maior atividade e reprodução desses animais e, em particular, o da espécie Tityusserrulatus.