Projeto da Prefeitura acolhe novos alunos do Pimentas com deficiência visual

0
105

 

A Prefeitura de Guarulhos promoveu nesta terça-feira (15) uma reunião de acolhimento de três novos alunos com deficiência visual que serão atendidos pelo projeto Práticas Educativas para a Inclusão Social (Peis) no CIC Pimentas. Acompanhados de seus familiares, os alunos foram apresentados ao projeto e à equipe, além de receberem orientações sobre piso tátil e informações sobre atendimento à pessoa com deficiência, como o uso de cartões de ônibus, de estacionamento, entre outros assuntos.

 

 

Deficiente visual há quatro anos, a auxiliar de enfermagem Suelen do Carmo Santos, de 38 anos, é uma das novas alunas do Peis. “Encontrei pessoas com problemas parecidos e pude trocar experiências e informações. O projeto vai ser um apoio para conhecermos nossos direitos e termos autonomia para sair. Não queremos ficar parados em casa. A gente quer conquistar outras coisas e participar da cidade”, afirmou Suelen, que é moradora do Pimentas.

 

O subsecretário de Acessibilidade e Inclusão, Gilberto Penido, destacou a relevância do envolvimento familiar nas atividades dos participantes. “A participação da família no processo de reabilitação da pessoa com deficiência é muito importante para sua independência. Quando um familiar entende o apoio necessário neste processo da perda de visão, ele abre portas para que a reabilitação se torne mais leve para quem a está perdendo. Nosso trabalho é inserir também a família neste processo”, disse.

 

“A princípio indaguei o que faríamos de tão importante na reunião e por que era necessário a família estar junto. Lá percebi o quanto é importante e fundamental participar dessas atividades com a Débora. Aprendi coisas que desconhecia completamente e vi o que eu fazia errado”, relatou a professora aposentada de 63 anos Maria Aparecida Márquez, que participou do encontro ao lado da filha Débora Márquez de Oliveira, de 39 anos.

 

Maria Aparecida incentiva outras pessoas a acompanharem seus filhos e parentes. “Além do conhecimento, é importante a participação para o nosso lado social e psicológico. Acredito que outros familiares que vieram à reunião saíram com a satisfação que eu saí. Estou maravilhada e encantada com esse trabalho”, disse.

 

O Peis é coordenado pela Subsecretaria de Acessibilidade e Inclusão, vinculada à Secretaria de Direitos Humanos, e visa a servir de instrumento de inclusão por meio da orientação e da mobilidade para o deslocamento e a garantia da vida autônoma com atividades internas e externas, leitura e escrita do sistema Braille, manuseio de instrumento de cálculos matemáticos (Soroban) e conhecimentos básicos de tecnologias.