Prefeitura lança projeto de prevenção à violência doméstica em parceria com MP

0
778

 

De acordo com o Mapa da Violência de 2015, o Brasil ocupa a quinta posição entre os países que mais assassinam mulheres no mundo. Em Guarulhos, infelizmente, essa realidade não é diferente, mesmo que o número de violência contra mulheres registrado no município em 2018 seja o menor dos últimos quatro anos, com 4.068 casos registrados contra 7.780 em 2015, 7.546 em 2016, e 7.582 em 2017. Diante dessa perspectiva, nesta sexta-feira (29), a Prefeitura de Guarulhos, em parceria com o Ministério Público do Estado de São Paulo, inicia a implantação do Projeto “Prevenção da Violência Doméstica e Familiar contra as Mulheres com a Estratégia Saúde da Família (PVDESF)”.

 

 

O projeto terá uma cartilha como um dos instrumentos das atividades, que propõe, a partir da conscientização e capacitação de agentes comunitários de saúde (ACS) e de profissionais desta área, transmitir informações que possam contribuir para a prevenção da ocorrência ou do agravo da violência doméstica e familiar contra as mulheres. Para isso, ao longo do ano, serão realizados seis encontros para formação de 193 ACS e cerca de outros 50 profissionais da Saúde.

 

O primeiro encontro será realizado nesta sexta-feira (29), das 8 às 17h, no CEU Parque São Miguel, para profissionais que atuam nos bairros de maior índice de violência em Guarulhos: Pimentas (460 casos registrados), Bonsucesso (318) e Cumbica (282). Os dados são referentes ao 1° semestre de 2018, do Mapa Municipal de Violência de 2018.

 

Previsto na Lei Municipal 7.600/17, o Projeto PVDESF conta com o apoio da Subsecretaria de Política para as Mulheres de Guarulhos, Centro de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Casa das Rosas, Margaridas e Betes e Secretaria da Saúde – Departamento de Assistência Integral à Saúde. Além disso, a iniciativa, que é do Ministério Público, obteve reconhecida homenagem no XIII Prêmio Innovare em 2016, e integra o Plano Nacional de Segurança Pública desde o ano de 2017.

 

A cartilha, que contém 40 páginas, além se servir como base para a formação dos profissionais de saúde, será entregue pelos ACS às famílias cadastradas em sua área, com o objetivo de multiplicar o conhecimento de toda a população acerca do conteúdo da Lei Maria da Penha, do conceito da violência doméstica, de como ela se manifesta e quais os instrumentos e os serviços disponíveis em Guarulhos para o seu enfrentamento. Ao todo foram confeccionadas 42 mil cópias do material, que tem como base a Cartilha “Mulher, Vire a Página”, elaborada pelo Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica (GEVID) do Ministério Público de São Paulo em 2011 e suas edições anteriores.