Guarulhos recebe a confirmação de quatro casos de sarampo

0
208

 

A Secretaria de Saúde de Guarulhos recebeu a confirmação de quatro casos de sarampo na cidade a partir do resultado de exames realizados pelo Instituto Adolfo Lutz e pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). As pessoas infectadas residem nos seguintes bairros: Jardim das Nações, Jardim Brasil, Pimentas e Jardim Angélica, locais em que os profissionais de Saúde já estão realizando uma ação de bloqueio para evitar a transmissão da doença, com a vacinação de todos os moradores que estão com a dose em atraso em um raio de oito quarteirões do ponto em que foram verificados os casos.

 

 

Preocupado em intensificar a imunização na cidade, o prefeito Guti foi pessoalmente solicitar mais doses da vacina ao governador João Doria na semana passada. No entanto, até o momento, Guarulhos não recebeu nenhuma resposta do Estado, uma vez que, como divulgado nesta terça-feira (18) pelo Centro de Vigilância Epidemiológica Estadual, em outros municípios o número de casos de sarampo é ainda maior, como na capital paulista, que já registra surto da doença, com 32 pessoas infectadas desde o início do ano.

 

Chegada da doença na cidade

 

A confirmação já era esperada no município, uma vez que de janeiro até o final de maio o estado de São Paulo registrou 36 casos de sarampo, o maior número desde 1999, quando, em todo o ano, foram contabilizadas 94 pessoas infectadas, segundo a Agência Brasil (EBC).

 

De acordo com a EBC, o primeiro surto deste ano ocorreu em Santos, com 21 casos provenientes de um navio que atracou no porto da cidade. Pelo menos 17 tripulantes e dois passageiros tiveram a doença confirmada. Outros dois casos atingiram profissionais de saúde da baixada santista.

 

Alto risco de contágio

 

O sarampo é uma doença altamente contagiosa provocada por um vírus. A transmissão ocorre de maneira semelhante à gripe, ou seja, de pessoa para pessoa, através de tosse e secreções. Os sintomas mais comuns são: irritação nos olhos, corrimento no nariz, manchas brancas na parte interna da bochecha, mal-estar, tosse persistente e manchas vermelhas na pele. Podem ocorrer também febre e convulsões, infecção nos ouvidos, conjuntivite, pneumonia, perda de apetite e diarreia. Em casos graves, provoca lesões cerebrais e infecções no encéfalo.

 

Prevenção e tratamento

 

Não há tratamento específico para o sarampo e a prevenção mais eficaz é por meio da vacina disponibilizada em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs). O esquema vacinal prevê a primeira dose da SCR, que previne contra sarampo, rubéola e caxumba, quando a criança tem um ano de idade. A segunda, chamada de reforço, é dada aos 15 meses, com a tetra viral, que protege contra as três doenças citadas e a varicela.

 

Crianças maiores de sete anos e indivíduos com até 29 anos devem ter tomado duas doses de SCR. Adultos acima de 30 anos e os nascidos a partir de 1960 devem ter tomado pelo menos uma dose da SCR.