Guarulhenses serão afetados por mudanças de Dória no transporte público

0
689

Segundo o jornal o Estadão, a equipe de transição do prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), estuda fazer uma reestruturação do transporte coletivo na capital para “capturar” passageiros que hoje utilizam linhas de ônibus intermunicipais dentro da cidade e aumentar a receita tarifária da Prefeitura. A medida é uma das engenharias analisadas pela futura gestão para “racionalizar” o sistema e conseguir manter o preço da passagem congelado em R$ 3,80 no ano que vem sem sacrificar outras áreas.

onibus-doria-guarulhos

Ainda segundo a reportagem, a proposta é reduzir a entrada na capital de ônibus da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), controlada pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB), e obrigar os passageiros que chegam de cidades vizinhas a pegar um coletivo municipal operado pela São Paulo Transporte (SPTrans). Assim, uma parte do valor pago pela viagem passa a entrar na conta sistema da Prefeitura, que subsidia a tarifa, em vez de a tarifa ser recolhida integralmente pela empresa concessionária da EMTU.

Com isso, milhares de guarulhenses que utilizam as linhas EMTU com destino a capital deverão ser afetados. Na prática, quem sair do Centro de Guarulhos para o Metrô Turucurvi (Linha-1 Azul), por exemplo, não conseguirá mais ir até a estação num único ônibus, mas terá de fazer baldeação em um coletivo municipal de São Paulo em bairro um limítrofe, que, nesse caso, seria Vila Galvão. A ideia é que o usuário pague uma tarifa menor da EMTU e outra tarifa, possivelmente integrada, à SPTrans.

A medida pode prejudicar o prefeito eleito Guti (PSB) na proposta de reestruturação do transporte para Guarulhos. Em entrevista à Agência Mural, Guti disse que a “missão será rever os contratos com empresas de ônibus e manter um diálogo próximo com o governo do Estado para melhorar as condições do transporte coletivo, com maior número de veículos circulando pela cidade, a fim de diminuir o tempo de espera. É fundamental a construção de um novo modelo sistêmico, com a reorganização das linhas de ônibus, permitindo que as pessoas se desloquem em veículos de qualidade, em um espaço de tempo mais curto e com segurança.”

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) informou, em nota, que “desconhece qualquer estudo no sentido de reorganizar o sistema de arrecadação do transporte intermunicipal por ônibus” tanto na capital quantos nos outros 38 municípios da Grande São Paulo.

“A racionalização do sistema de transporte sobre pneus tem sido objetivo permanente da EMTU. Um plano bem executado reduz custos e pode, até, aumentar a velocidade comercial dos veículos, reduzindo assim o dispêndio dos usuários”, afirma a estatal controlada pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Click Guarulhos