Sérgio “Escadinha” visita Nosso Clube e fala da trajetória no vôlei brasileiro

0
548

 

Sérgio Dutra Santos, o maior líbero da história do vôlei no Brasil, esteve na última sexta-feira (17), em um amistoso de vôlei adaptado, no Nosso Clube Vila Galvão.

 

serginho-escadinha-em-guarulhos (1)
Foto: Márcio Lino – PMG

 

A atividade, que envolveu atletas com mais de 50 anos das cidades de Guarulhos e Itapecerica da Serra, também reuniu atletas da cidade e muitos fãs do esportista.

 

A trajetória de sucesso de Escadinha começou em clubes como Palmeiras e Guarulhos, onde contou com o apoio da treinadora Carmem Sílvia de Souza Lima, sua primeira professora na equipe do infanto-juvenil. 

 

serginho-escadinha-em-guarulhos (2)
Foto: Márcio Lino – PMG

 

“O Sérgio era um jovem mais baixo em relação aos outros atletas, e nem sempre tinha condições financeiras para participar dos treinos, porém a sua dedicação e persistência foram determinantes para fazê-lo chegar onde ele está hoje”, aponta Carmem Silvia.

 

Sérgio conta que o entusiasmo para a prática do esporte surgiu no início da década de 1990, época de ouro da Geração Bernardinho.

 

serginho-escadinha-em-guarulhos (3)
Silvia, Serginho e José Aparecido. Foto: Márcio Lino – PMG
“Lembro que sempre tive muita facilidade em esportes com bola, mas quando assisti a Seleção do Bernardinho, Maurício, Marcelo Negrão e Tande vencer em 1992, nas Olimpíadas de Barcelona tive a certeza que era aquilo que eu queria fazer na minha vida. Depois disso o vôlei virou febre no Brasil, mas eu nem imaginava que a minha carreira teria um repercussão gigantesca como é atualmente”.

 

A jornada do herói

 

Como se constrói um atleta como Serginho? Para Silvia, o técnico precisa ser uma facilitador do desenvolvimento do atleta.

 

“Eu acho que o técnico é um facilitador. Ele explica, ensina, mas o resultado depende do foco, disciplina e a persistência do atleta. Se o Sérgio hoje é referência no esporte brasileiro é por conta da sua dedicação, garra e porque nunca desistiu do seu sonho”, destaca a treinadora.

 

Para o técnico José Aparecido Cardoso a trajetória do Escadinha é um exemplo de como o esporte pode transformar a vida  das pessoas.

 

“O Sérgio era um garoto da periferia como muitas dificuldades e  foi por meio do esporte que transformou a sua realidade. Por isso, acreditamos ser muito importante a articulação das áreas de educação, cultura e esporte na cidade.  Se atuarmos desde a idade escolar com as crianças com certeza poderemos incentivar e revelar novos ‘Serginhos’ por toda Guarulhos”.

 

serginho-escadinha-em-guarulhos (4)
Foto: Márcio Lino – PMG

 

Sérgio completa que, mais do que técnicos, Silvia e José se tornaram uma grande família para ele.

 

“A Silvia foi a minha primeira técnica, mas eu diria que foi mais do que isso, uma mãe e uma grande amiga”. Até hoje temos essa relação de mãe e filho.O Zé foi meu técnico logo em seguida, e graças a Deus eu tive essas duas pessoas que me fizeram entender qual era meu caminho vida. Tenho uma gratidão gigantesca por eles e se eu pudesse traria os meus três filhos para serem educados por eles.  O amor que eu tenho por eles é gigantesco!”

 

Campeão da Liga Mundial, em 2009, Serginho se tornou o grande símbolo da geração comandada por Bernardinho, apontada como a melhor de todos os tempos na modalidade. Com a seleção, o atleta conquistou ainda um ouro e duas pratas olímpicas, dois Mundiais e oito Ligas Mundiais.

 

“Gostaria de deixar uma mensagem para os atletas de Guarulhos: basta acreditar! Não moro em Guarulhos, mas eu tenho minhas raízes aqui. Sei o que essa cidade fez por mim nos 8 anos em que treinei aqui, me possibilitando que eu me tornasse um atleta de alto nível e um atleta olímpico. Acredite, se você tem um sonho, acredite nele. Se eu consegui, qualquer pessoa consegue também”.