Prefeitura ajuda moradores de rua à voltar para casa

0
848

 

A Prefeitura de Guarulhos conseguiu restabelecer os vínculos sociais de 128 moradores de rua em 2014.

 

A redução de 63% se deve ao retorno dessas pessoas para suas casas e ao ingresso no mercado de trabalho. Em 2015, dos 77 moradores de rua atendidos pela equipe de abordagem da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Assistência Social, seis restabeleceram seus vínculos familiares. Em 2013, essa redução foi de 40%.

 

Nos últimos anos, houve uma reformulação da política de atendimento à população em situação de rua. A prioridade deixou de ser o acolhimento e passou a ser a reinserção social. Agora, os moradores de rua são encaminhados para vagas de trabalho e a Prefeitura providencia o contato com seus familiares. Para tornar esse trabalho possível, foram criados cinco equipamentos novos: dois Centros Especializados de Assistência Social (Centros POP), uma Casa de Passagem Feminina e duas repúblicas.

 

Os Centros POP têm espaços destinados à higiene, alimentação e atendimento psicossocial. Eles foram instalados na Vila Augusta (av. Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, 2.212),e no Cocaia (av. Brigadeiro Faria Lima, n° 375), após adesão daPrefeitura junto ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Os locais têm atendimento diurno, das 8 às 17 horas, no horário oposto ao do Albergue, que só abre à noite.

 

morador-de-rua-guarulhos

Foto divulgação_Manual dos direitos do morador de rua

 

A Casa de Passagem abriga mulheres em situação de rua com seus filhos. Ela foi criada emmarço de 2014. A unidade funciona 24 horas, com características residenciais e oferece acolhimento provisório para 30 mulheres  e até 6 crianças. A finalidade do serviço é criar condições para que as mulheres em situação de rua reorganizem suas vidas. “Com endereço fixo, elas podem procurar emprego e participar de cursos profissionalizantes até que desenvolvam condições de autocuidado”, afirma Genilda Bernardes, secretária de Desenvolvimento e Assistência Social. A casa, localizada no bairro Jardim Presidente Dutra, é ampla e aconchegante. Possui três dormitórios e uma edícula equipados com beliches e berços, além de 5 banheiros, copa, cozinha, refeitório, sala e área de serviço.

 

As repúblicas ajudam os moradores de rua a conquistarem a independência financeiradepois de ingressarem no mercado de trabalho. Foram criadas em maio de 2014, com finalidades diferentes: a primeira recebe homens que precisam adquirir noções de autocuidado, superar a dependência química e se desvincular dos costumes da rua; a segunda, concentra-se na conquista da independência financeira, na manutenção do emprego com carteira assinada e no restabelecimento dos vínculos familiares e sociais. A ressocialização em república faz parte das diretrizes do Decreto nº 7.053/2009, da Política Nacional para População em Situação de Rua. (Unidade 1: rua Pedro Ângelo Janitelli, 37 – Ponte Grande / Unidade 2: rua Padre Francisco de Lucia, 3 – Ponte Grande.).

 

Além disso, há cinco anos, a Prefeitura ampliou o Albergue Municipal. O local triplicou o número de vagas de 60 para 180. O atendimento acontece das 17 às 8 horas. O Albergue funciona na rua Harry Simonsen, 275, no Centro. No local são oferecidos jantar, ceia, café da manhã e espaços apropriados para tomar banho e repousar. O Albergue também facilita o acesso a serviços essenciais de saúde, emissão de documentos e assistência social.

 

A equipe de abordagem social da SAS tem o trabalho estratégico de mapear as dificuldades dessa população. Os agentes entram em contato com as famílias, interpretam as histórias caso a caso e providenciam o recâmbio para as cidades de origem. Durante a triagem, a equipe acompanha as pessoas sem identificação à delegacia para fazer Boletim de Ocorrência e segunda via de documentos. Em seguida, os atendidos passam pelos serviços da rede de saúde. A atuação estratégica dos profissionais está reduzindo o número de pessoas em situação de rua em Guarulhos.

 

Fonte: Prefeitura de Guarulhos