Metalúrgicos demitidos por telegrama

0
601

 

A Metalúrgica de Tubos de Precisão (MTP) demitiu 100% de seus funcionários entre quarta e quinta-feira, 21 e 21, respectivamente. Os metalúrgicos souberam da decisão da empresa após receberem telegramas em suas casas. Ao todo, 800 pessoas ficaram sem emprego. A reportagem conseguiu telefonar para Ieda Gasso, gerente comercial da metalúrgica. Porém, ela não se manifestou sobre a situação, nem retornou à ligação até a conclusão desta edição.

 

Segundo o supervisor de produção Marcos Antonio Formigoni, no dia 15 os funcionários da MTP não receberam o adiantamento. “Nos informaram que o pagamento seria feito hoje [dia 22/01], mas ao invés de pagamento recebemos nossas cartas de demissão”.

 

metalurgicos-guarulhos

Dúvida – Trabalhadores ficaram em frente à MTP para obter informações (Foto: Silvio Cesar)

 

Ele acrescentou que no dia 17 a diretoria da metalúrgica tentou tirar um equipamento da fábrica, mas foi impedida pelos funcionários.

 

Além disso, todos os metalúrgicos tiveram o convênio médico cancelado, mas mesmo assim, parcelas para o pagamento dele foram descontadas dos salários. “Também estamos sem FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço)”, disse Formigoni que acrescentou que recebeu somente 50% do 13º salário.

 

Segundo funcionários da metalúrgica, 500 trabalhadores da unidade, que funciona na Vila Miriam (Região Centro), e 300 da Região Cumbica foram demitidos “de surpresa”.

 

Manifestação e greve em Mauá

 

Aproximadamente 300 metalúrgicos de Guarulhos foram à empresa Quasar, que pertence ao mesmo grupo que gerencia a MTP e funciona em Mauá (na Região Metropolitana de São Paulo), para protestar contra a demissão em massa ocorrida na cidade. Os funcionários decretaram greve geral em solidariedade aos companheiros de trabalho.

 

O assessor da Força Sindical, Marco Antonio Tomboly, afirmou que o departamento jurídico do sindicato irá processar a MTP e pedirá para que os bens da empresa sejam leiloados para quitar as dívidas com os trabalhadores.

 

Fonte: Folha Metropolitana