Maestro elogia Orquestra Jovem

1
491

 

O movimento do corpo é intenso e o calor também.  Mas, mais intensa é a música que incendeia de emoções o Teatro Adamastor. Literalmente suando a camisa, o maestro mexicano Jesus Medina conduz o ensaio da Orquestra Jovem Municipal (OJM) com toda sua sensibilidade. Para, recomeça, aponta, coordena. Tudo para que o concerto de sábado, dia 18,  esteja em plena sintonia.

 

“Eles (os instrumentistas) estão com muita atenção, dedicando-se bastante. Está sendo um trabalho muito bom, ainda mais em se tratando de duas peças que eles, até dois meses atrás, nem sabiam que existiam”, comentou Medina, no ensaio desta quarta-feira, 15, referindo-se a duas obras que serão executadas no sábado: Sinfonietta, do compositor mexicano José Pablo Moncayo (1912-1958) e Suíte Mexicana, do também mexicano Eduardo Angulo (1954).

 

maestro-guarulhos

 

Acostumado a viajar pelo mundo, Medina diz que sempre quando vai a um país, procura levar músicas de sua terra natal. “E quando recebo alguém de outro país no México, também peço que leve algo característico. Os maestros brasileiros que lá se apresentam sempre mostram músicas brasileiras”, disse Medina, que veio a Guarulhos pela primeira vez. “Já vim a São Paulo, mas é a primeira vez aqui em Guarulhos. Estou gostando muito. Adorei a pimenta dedo de moça”, ressaltou ele, que tem se refestelado com carnes, especialmente picanha e cupim.

 

Sons

 

Medina explica a riqueza de ritmos presentes em Suíte Mexicana, de Eduardo Angulo. Uma das curiosidades é, justamente, aquele som característico das músicas dosmariachis – sim, você os conhece: aqueles cantores mexicanos, de roupas e sombreros inconfundíveis.

 

 “Suíte Mexicana é uma peça atual, feita há uns 15 anos apenas. Angulo mostra cinco ritmos diferentes. O jarabe (um dos mais importantes gêneros das músicas dos mariachis), com cellos e contrabaixos. No segundo movimento, temos serenata, com aquele romantismo e tranquilidade. Já no terceiro movimento, huapango criollo, muito característico nas zonas do Golfo do México. No quarto movimento temos valsa, com a canção Zandunga, muito conhecida no México, e Cielito Lindo. Depois, polka, típica do Norte do país, bem perto dos Estados Unidos. São diferentes estilos da música popular mexicana”, explicou Medina, atualmente diretor artístico da Orquestra Sinfônica da Universidade de Monterrey.

 

De acordo com Medina, Sinfonietta, como o próprio nome diz, é uma pequena sinfonia de apenas dez minutos, mas que se pode distinguir facilmente seus movimentos. “São quatro movimentos. É uma música muito rítmica e latina”, expôs.

 

Tradicional, Sinfonia nº 39 em Mi Bemol maior, K 543 de Wolfgang A. Mozat (1756-1791) é a peça que abre o concerto de sábado, no Adamastor. “Esta peça faz um contraste com as demais. É uma linda sinfonia”, disse.

 

 Medina conduz mais um ensaio no Adamastor, nesta sexta-feira. O concerto de sábado será às 20h e é gratuito. “O público vai poder ouvir uma peça tradicional e ritmos característicos do México”, convidou o maestro.

 

Fonte: Prefeitura de Guarulhos