Curso de polvinhos de crochê auxilia bebês em UTI neonatal

0
782

 

Na próxima terça-feira, dia 4, às 14h30, a Secel – Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer – promove workshop do projeto “Polvoando Amor”. A oficina, que será realizada no Adamastor Centro, ensinará os interessados a confeccionar pequenas luvas em formato de “polvos”, que são colocados nas mãozinhas de bebês que precisam ficar em UTI neonatal. A proteção evita que os pequenos pacientes, ao se agitarem, puxem fios, tubos ou se machuquem.

 

curso-de-polvinhos

Ministrado pela artesã e responsável pelo projeto, Sandra Dias, a iniciativa é destinada aos profissionais de hospitais, escolas, faculdades, comerciantes e empresários, entre outros.

Também haverá uma edição do curso gratuito no Cemear – Centro Municipal de Educação e Artes. Serão duas turmas, sempre das 15 às 17 horas, nos dias 8 e 15 de julho e nos dias 22 e 29 de julho.

 

O Projeto

O Projeto “Polvoando Amor” é uma iniciativa surgida na Dinamarca, em 2013, que vem trazendo benefícios aos bebês prematuros, famílias e toda a equipe envolvida na continuidade da vida. Mais de 15 países já aderiram ao projeto.

O polvinho acalma o bebê, ajudando a normalizar a respiração, os batimentos cardíacos e também evitando que eles arranquem os fios de monitores e tubos de alimentação nas incubadoras. A explicação parece vir da semelhança dos tentáculos do polvo com cordão umbilical, remetendo então ao útero materno.

Os bichinhos também têm ajudado muitas mamães que passam por grandes desafios emocionais neste momento tão bonito da vida.

O Projeto começou a tomar forma no Brasil e algumas cidades já possuem parceria com grupos de artesãs que fornecem as peças para maternidades de forma independente, ou seja, todos os polvinhos confeccionados pelas artesãs são exclusivamente doados a unidades hospitalares.

A confecção dos polvinhos

Existem cuidados elementares para a produção dos bichinhos que precisam passar pelos processos de esterilização de cada unidade neonatal, sendo a confecção em linha 100% algodão e o enchimento com fibra siliconada. O fundamental na produção é que o polvo seja crochetado com, no máximo, 22 cm ou conforme instrução da unidade UTI neonatal.