Aula final do curso Servidor que Inova traz protótipos em 3D

0
375

 

Inovar é uma palavra que nos remete à ideia de realizar algo novo, fazer diferente ou fazer a diferença. É com esta proposta, que a Secretaria de Gestão do município promove o curso Servidor que Inova, que busca capacitar seus colaboradores para práticas inovadoras no setor público, fomentando o desenvolvimento de projetos ou protótipos estruturados que valorizem a perspectiva do servidor em seu ambiente de trabalho.

 

alex-garcia-guarulhos (2)
O arquiteto Alex Garcia/ Foto Sidnei Barros PMG

 

A aula de conclusão contou com a apresentação de seis projetos, sendo uma cadeira para ajustar a postura, um balcão de atendimento acessível para cadeirante, um aplicativo para carona entre servidores, um portal online para solucionar dúvidas dos servidores, aplicativo de acesso remoto para bibliotecas e uma escada que poderá ser uma opção para construções de baixo custo.

 

Para o responsável pelo curso, o arquiteto Alex Garcia, o Servidor que Inova fornece meios para que o funcionário possa mostrar a sua criatividade e colocá-la em prática a serviço da Prefeitura. “Quando damos oportunidade ao servidor, ele traz soluções para a nossa realidade. Durante o curso eles aprendem a utilizar softwares livres, a fazer protótipos virtuais e reais, a utilizar ferramentas que potencializam essa capacidade criadora para que eles possam fazer a diferença tanto no próprio trabalho quanto na Prefeitura”, salienta.

 

Metodologia

 

Na primeira aula, os alunos foram provocados a apresentarem um trabalho manual com poucos materiais e num curto período de tempo. Eles tiveram que construir uma proposta de imediato. A iniciativa tinha o objetivo abrir espaço para discutir os problemas estruturais da Prefeitura, como falta de tempo, material e como trabalhar em grupo com os recursos que se tem. “É uma forma de trabalhar a autoestima do servidor e o trabalho em si”, ressalta Alex.

 

Nas aulas seguintes, os servidores trabalharam com as tecnologias da Prefeitura para se familiarizar com os recursos oferecidos. Depois disso, aconteceu a sistematização e organização de ideias. Utilizaram ferramentas online com o passo a passo para reorganização das ideias, o chamado Mapa Mental e programação básica organizada em blocos. Trabalharam com lógica, GuaruGeo (sistema de geoprocessamento da Prefeitura) e produção de conteúdo com imagem, além de prototipagem e desenho em 3D.

 

O servidor Marcos Paulo Lallo Sartori, que trabalha na Agência Reguladora de Saneamento de Guarulhos (Agru), teve a ideia de um aplicativo para celular “Carona Servidor”, uma forma de transporte compartilhado que é uma alternativa ao transporte público. “A minha ideia era conhecer softwares gratuitos, mas no primeiro dia do curso, resolvi fazer esse aplicativo, fui criando o logotipo, os botões e a cara do aplicativo, mas tem muito ainda a fazer”, explica.

 

alex-garcia-guarulhos (1)
Exposição de projetos/ Foto Nicollas Ornelas PMG

 

Já Bruno Pereira de Castro trabalha numa Escola Pública de Guarulhos. Ele criou a cadeira que melhora a postura. “Sempre tive curiosidade com essa questão de mobiliário, porque os espaços estão cada vez menores. Aí, pensei nessa cadeira que é mais adequada e que impede a pessoa de sentar errado. As pessoas ficam sentadas horas e tem gente se prejudicando e nem sabe, depois a Prefeitura tem que arcar com as despesas, com licenças médicas e até aposentadoria”.

 

Fab Lab

 

O curso, que procura desenvolver a criatividade e a capacidade de resolução de problemas por meio da tecnologia junto aos servidores, é ministrado pelo mestre e arquiteto da Prefeitura Alex Garcia. Em 2011, durante uma visita ao Peru, Alex conheceu o Fab Lab, que é uma rede mundial de laboratórios de fabricação digital que conectados podem trabalhar em projetos conjuntos.

 

A partir de então, Alex começou a desenvolver várias oficinas. A primeira delas foi uma oficina de brinquedos eletrônicos no Bosque Maia, chamada Venha construir uma lixeira ecológica. “A lixeira tinha um sensor e uma placa que as crianças fizeram na época, cada lixo contava um ponto. A placa veio do Fab Lab de Costa Rica e o desenho do Peru. As crianças tiveram aulas online com  adolescentes da Costa Rica”.

 

Na sequência, vieram o FAB Cidadania, que utilizava alunos de robótica da USP e estudantes da rede pública para buscar soluções para a cidade, e o FAB Social, que é uma ação que oferece oficinas de lógica básica de programação, metodologias de pesquisa em ciência e tecnologias e fabricação digital em impressoras 3D para crianças a partir de seis anos e professores do ensino fundamental. O programa é premiado nacional e internacionalmente, e já foi apresentado em exposições e congressos dentro e fora do país.

 

Projetos /servidores envolvidos

 

Projeto: Servidor Online

Nathalia Emanuelly – Instituto de Previdência dos Funcionários Públicos Municipais de Guarulhos (IPREF)

Eduardo Dias – IPREF

 

Projeto: Balcão de Atendimento Acessível

Euzamar Santos Pereira Filha – Secretaria de Saúde

Luciana de Oliveira Santos – Secretaria de Gestão

Maria Nirci Rocha – Secretaria de Serviços Públicos

 

Projeto: Escada Essencial

Ana Malufi – Secretaria de Habitação

Jaciana Barbosa – Secretaria de Habitação

Valquiria Ramos- Secretaria de Habitação

 

Projeto: Bibliotecas públicas municipais de Guarulhos – Aplicativo de acesso remoto

Murilo Jesus Vieira – Secretária da Saúde

 

Projeto: Carona Servidor

Marcos Paulo Lallo Sartori – Agência Reguladora dos Serviços Públicos de Saneamento Básico do Município de Guarulhos (AGRU)

 

Projeto: Cadeira Postural

Bruno Castro – Secretaria de Educação

Cláudia Almeida – Secretaria de Saúde